Color 64: Uma raridade carioca!

Pessoal,

Hoje vou pedir licença ao Ritcho, ao Alex e ao Beto para apresentar um micro que poucos conhecem ou sequer devem ter ouvido falar. Ele é um legítimo integrante da família TRS Color nacional e um clone direto do famoso TRS-80 Color Computer ou simplesmente, como são mais conhecidos, CoCo. Amigos, apresento-lhes o Color 64.

Color 64. Um dos integrantes nacionais da linha TRS Color!

Esse micro assim como a maioria dos outros TRS Color nacionais (como o CP400), teve sua época áurea no Brasil entre os anos de 1983 e 1985. Esse modelo em especial tem um valor a mais, pois além de ser o primeiro segundo clone do Coco fabricado em nosso país, ele foi também projetado pela empresa carioca LZ/Novo Tempo,  que tinha a sua fábrica nas dependências da antiga Cervejaria Skol em São Gonçalo.

Imagem promocional da época.

Aí vocês devem estar se perguntando de como eu vim a saber da existência desse micro? Bom, um caro amigo e cocomaníaco, o Juan Castro, e que foi funcionário da LZ Sistemas na época que este micro foi lançado, me alertou da existência do mesmo e de como era louco para ter um novamente. Acabei ficando com isso em mente e ainda brinquei com ele falando “ainda vou achar esse micro pra você!”. Parece até brincadeira mas depois de alguns dias, olhando os anúncios do Mercado Livre, encontro o dito a venda! Nem pensei duas vezes e arrematei.

Após a chegada e ainda sujo.

Carioca da Gema!!

Etiqueta do produto

Acompanhando o micro e conectado no slot interno, o cabo do famigerado CP-450, conjunto de controladora e drives feitos para o CP-400 da Prológica. Pena que só veio o cabo…

Conectores traseiros: Conector DIN10 para video ?!?!

Como se pode notar na imagem acima, o conector de saída para o video é um DIN10, no qual eu sinceramente nunca tinha visto antes. Após uma breve busca pela net, só achei um local vendendo a versão fêmea desse conector, ou seja, não me servia. O pessoal nas listas postou a idéia de substituir o conector do micro por outro de mais fácil obtenção, como um DIN6 ou DIN8, mas aí eu acabaria tendo que entrar na seara de descaracterizar um micro original. Eu ainda não estava pronto para isso…

Recorri então a minha última alternativa, que seria a missão quase impossível de achar um conector DIN10 macho nas lojas de eletrônica que ficam na área da rua República do Líbano, aqui no Rio. Fui de loja em loja perguntando e tinha vendedor que até sorria para mim como quem diz “nem em sonho!”. Rodei todas e já praticamente desistindo, na última loja (sem brincadeira!), me deparo com a imagem abaixo.

Acho que vou jogar na megasena hoje!

O conector DIN10 macho bem na minha cara ali na vitrine. Nem acreditei ! Comprei esses três que aparecem na foto.

Agora vinha a tarefa de fazer o cabo de video composto, mas antes teria ainda que identificar os pinos que trariam os sinais corretos. Bom, depois de alguns minutos com o multímetro e alguns testes, acabei descobrindo boa parte da pinagem e compartilho com vocês no diagrama abaixo.

O pino 8 não consegui identificar a função, já os pinos 6 e 10 estão ligados em conjunto, assim como também os pinos 3 e 9. Alguém explica isso ?

Depois de confeccionado o cabo, restou apenas testar e… FUNCIONA!!

Para complementar, gravei também um pequeno video para demonstar o correto funcionamento do Color.

 

Continuando, sigo mostrando mais algumas fotos do micro aberto e também algumas curiosidades.

Gabinete aberto.

Olha onde fica o conector de cartucho!

Motorola 6847 o VDG do Color 64.

Processador 6809

Banco de RAM e ROMs

Uma das coisas que mais me impressionou foi o teclado profissional com “reed switches” da máquina. Que diferença absurda para quem na época usava o CP400 e seu teclado chiclete.

Outra coisa interessante foi a interface serial-paralela que veio acompanhando o micro. Fabricada no exterior, possivelmente para uso com o Coco.

Acompanhando o micro também vieram o par dos famigerados joysticks originais do CP400.

Uma das coisas estranhas foi essa etiqueta que veio presa por fora do Color…

Depois de aberto o micro para limpeza e retirada do teclado, conseguimos entender o porque da etiqueta. O teclado foi fabricado pela empresa Digiponto.

Olha a criança depois de um bom banho.

 

Para ver o álbum completo de fotos clique aqui.

Espero que tenham gostado e aguardem mais novidades.

Abs,
Daniel

Esta entrada foi publicada em TRS Color com as tags , , , . ligação permanente.

2 Respostas a Color 64: Uma raridade carioca!

  1. Pingback: E tem um Color 64 no AMXProject | Retrocomputaria Plus

  2. Ritcho diz:

    Muito bom Daniel!
    Excelente o post.
    Parabéns pela raridade!!!
    Grande abraço.

Os comentários estão fechados