Amiga 1200C – parte 3 – Acelerando um pouco as coisas!

Depois de conseguir encaixar a placa no gabinete do A600, inclusive com as portas de mouse e joystick e os LEDs já funcionais, e com a interligação mais discreta e sem todo aquele volume dos cabos inicialmente usados, eu já tinha conseguido o objetivo principal.

Aliás, eu já tinha conseguido muito mais do que esperava! Eu já estava nesse pé, e o ano ainda não tinha acabado!

Eu me daria por satisfeito até o ano seguinte se não fosse por um detalhe crucial. Eu não podia usar o micro dessa forma! Lembram que a placa não funciona sem uma aceleradora conectada? Pois é. E não dá pra encaixar a aceleradora na placa cortada, dentro desse case. Pelo menos não do jeito convencional!

Eu estava tão perto de ter um A1200 mais compacto funcional, que desse pra brincar um pouco. Não podia parar agora! Tinha que arrumar um jeito de colocar essa aceleradora lá dentro junto com o resto! E foi assim que eu perdi o resto das férias…

Eu só consegui uma solução definitiva e satisfatória em Fevereiro de 2013! Lógico, eu não fiquei em cima disso 24h por dia. Mas gastei muito tempo das minhas férias, praticamente todo tempo que teria pra me divertir (e me diverti um bocado com essa brincadeira!), com várias tentativas.

Eu não queria nada fixo demais. Eu tinha comprado a ACA especificamente pra esse projeto. Mas e se aparecesse uma aceleradora melhor em algum momento? Eu queria poder trocar a placa, como se faz num A1200 normal, sem grandes problemas.

Então, a primeira tentativa foi fabricar uma espécie de “extensor de trapdoor”. Esses conectores usados nas aceleradoras, pra encaixar na ranhura da placa do A1200 são proprietários do Amiga. E também são impossíveis de encontrar. O próprio Jens Schönfeld, Pai das ACA, disse algumas vezes que teve que investir milhares de dólares em uma máquina que pudesse fabricar esses conectores, para viabilizar o projeto das expansões que os utilizam. E ele não vende os conectores! Ou melhor, até se propõe a vendê-los, mas faz exigências bem específicas e pesadas!

Eu também não tinha nenhuma sucata de onde tirar um desses. Então o jeito era fazer uma gambiarra “de raiz”!

Os conectores PCI possuem o mesmo espaçamento entre os contatos. Mas não possuem a dimensão correta. Mas se eu cortar 2 conectores, e colar da forma correta… será?

Primeiro separei a placa que doaria os conectores PCI:

Placa doadora dos conectores PCI

Placa doadora dos conectores PCI

Depois dessoldei os conectores. Se você nunca fez isso, não tem ideia do trabalho que dá! Só pra dessoldar essas crianças eu levei, fácil, umas 2 horas!

Conectores dessoldados

Conectores dessoldados

Agora precisava remover os pinos que estavam na direção do corte:

 

Pinos que não serão usados removidos

Pinos que não serão usados removidos

 

Tudo pronto para o corte!

Tudo pronto para o corte!

 

Cortes feitos. Agora vamos lixar!

Cortes feitos. Agora vamos lixar!

Depois de cortar, e lixar os conectores para que ficassem mais planos pra colagem, percebi que precisaria cortar ainda mais um deles, para ficarem com o tamanho correto. Feito isso, hora de medir se está tudo alinhado:

 

Testando

Testando

Removi também os 4 pinos que ficavam posicionados na direção do corte da placa. A fenda guia. Nessa posição eu colocaria mais tarde um pino para servir mesmo como guia pro encaixe. Agora é só colar os dois conectores:

 

Casamento perfeito dos contatos!

Casamento perfeito dos contatos!

Eu ainda pensaria como reforçar o conjunto. A ideia era usar uma conta metálica em volta dos conectores para que a cola não sofresse muito estresse. Mas isso era pra mais tarde. Agora eu precisava do “outro lado” do extensor. O “conector” macho!

Essas foram as doadoras. Não se preocupem, elas estavam com defeito, e não tinham mais uso a não ser doar:

Placas doadoras do que seria a ranhura, o "macho" do extensor

Placas doadoras do que seria a ranhura, o “macho” do extensor

fragmentos que serão colados

fragmentos que serão colados

Depois de cortados os pedaços que juntos formariam uma placa só, eu precisava alinhá-los, para depois colar. O melhor seria encaixar esses fragmentos no conector da própria aceleradora, usando-o como guia:

Testando o posicionamento no conector da aceleradora

Testando o posicionamento no conector da aceleradora

Agora precisava de uma base. Cortei uma tampa de baia de 5.1/4″ de gabinete torre. Ele serviria como base e também daria um acabamento um pouco melhor (assim eu esperava!):

Pedaço de plástico que servirá de base

Pedaço de plástico que servirá de base

Colando o plástico nos fragmentos de placa:

colagem da base nos fragmentos. Notem que o conjunto é mantido na posição pelo conector da aceleradora!

colagem da base nos fragmentos. Notem que o conjunto é mantido na posição pelo conector da aceleradora!

A outra face

A outra face

Agora o conjunto já podia ser removido da placa, e estava bem firme! Mas ainda feio demais!

conjunto colado (feio, é verdade!)

conjunto colado (feio, é verdade!)

Para comparar com a ranhura original da placa do A1200, coloquei uma sobre a outra:

Comparando o posicionamento dos contatos

Comparando o posicionamento dos contatos

Eu pretendia que, depois de finalizado o extensor, o posicionamento da aceleradora fosse o seguinte:

Posicionamento pretendido

Posicionamento pretendido

Vamos soldar os cabos então, porque eu estou doido pra jogar um pouco!

Terminei de dessoldar os componentes que ainda estavam nos fragmentos de placa, e cortei as trilhas de todos os contatos para evitar que houvesse alguma interligação entre elas. Depois passei uma fita crepe nos contatos deixando apenas uma ponta exposta. A fita serviu como máscara para que a solda não se espalhasse nos contatos impedindo que eles se encaixassem no conector depois. Estanhei essa parte exposta para soldar os cabos:

Fita usada como máscara para estanhar os contatos e soldar os cabos

Fita usada como máscara para estanhar os contatos e soldar os cabos

Também aparei e estanhei os pinos do conector fêmea:

Pinos aparados e estanhados

Pinos aparados e estanhados

Então comecei a soldar. Novamente, muito trabalho e tempo empenhado:

Primeira parte soldada!

Primeira parte soldada!

Bom, já tinha soldado todos os cabos nas duas extremidades. Era hora de conectar tudo, verificar, e testar!

Cabo pronto, e tudo encaixado para o teste!

Cabo pronto, e tudo encaixado para o teste!

Vista lateral do arranjo

Vista lateral do arranjo

Ficou bem razoável. E quando eu liguei… FUNCIONOU!! 😀

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=1nYSt5i0Q7s&w=640&h=480]

 

Tudo muito legal, e progredindo às mil maravilhas! Mas o tapado aqui negligenciou um detalhe crucial. O conjunto tinha que caber no case! :-/

Lógico que não coube! Eu tinha me esquecido da parte superior do gabinete, que tinha um teclado! Peguei a carcaça com o teclado do A600 ainda, e, lógico, não tinha como caber. O conector da própria ACA batia no teclado, e faltava muito pro case fechar.

Fiquei super frustrado, porque bastava eu ter colocado a aceleradora em cima da placa do A1200, já na base do gabinete, e tentado fechar com o teclado. Tudo isso ANTES de perder horas e horas dessoldando, cortando, colando, etc, etc!!! Animal!! :-p

O pior de tudo, é que eu ainda insisti. Resolvi então que não colocaria a aceleradora nessa posição, mas deslocada mais pra cima um pouco. Usaria um cabo mais comprido, e assim poderia ter mais liberdade para escolher o lugar da aceleradora. Mas ainda estava cabreiro. Por algum motivo essa ideia não me agradava tanto.

Pensei em várias outras coisas, uma mais bizarra do que a outra, e foram todas elas frustradas.

Olha só essa:

Cabo mais longo. Bizarro!

Cabo mais longo. Bizarro!

Depois, eu encontrei na casa dos meus Pais, numa sucata que ainda estava lá, mais uma placa de A1200! Essa estava mesmo irrecuperável. Então achei melhor reduzir as gambiarras, e substituí aquele conector de retalhos:

Pedaço de placa de A1200 que achei na sucata!

Pedaço de placa de A1200 que achei na sucata!

Então pensei nessa solução medonha!

Bizarrice 2!  8-O

Bizarrice 2! 8-O

Meus Deus!

Meus Deus!

Funcionou. Mas… porque eu pensei nisso?!?! Medonho…

Então eu pensei em outra coisa que poderia funcionar, e seria a solução mais elegante até agora. E se eu inverter o conector da aceleradora?

Eu não queria mexer na aceleradora. Evitei a todo custo, mas já estava cansando dessa brincadeira. Então cedi, e dessoldei o conector:

Conector dessoldado

Conector dessoldado

Não bastava soldar o conector do outro lado, até porque não dava fisicamente. Eu precisava de um conector com os pinos “invertidos” (pares nos lugares dos ímpares, e vice-versa).

Então desmontei o conector. Tirei pino por pino, e fui invertendo:

Conector sendo desmontado, para inverter os pinos

Conector sendo desmontado, para inverter os pinos

Conector montado "ao contrário"

Conector montado “ao contrário”

Agora dá pra encaixar:

Conector recolocado ao contrário

Conector recolocado ao contrário

Outra vista

Outra vista

Por cima

Por cima

Soldado e encaixado na placa do A1200:

Placa encaixada com o conector invertido

Placa encaixada com o conector invertido

Bacana. Funciona também! Mas continua não fechando o gabinete. O conector impedia que a placa do A1200 assentasse, o que gerava outros problemas. Eu ainda pensei em desbastar o conector, mas não daria certo, e eu estragaria um conector raro e que fazia parte de uma placa que estava totalmente funcional. Não queria uma solução desse tipo.

Além disso, isso seria uma solução altamente específica, e que não me daria vantagem nenhuma caso precisasse substituir a aceleradora no futuro. Então, se é pra ficar preso a essa aceleradora, e se tiver que refazer o trabalho pra uma nova aceleradora caso isso venha a acontecer, melhor fazer logo algo definitivo e funcional, simples, limpo.

Então o melhor é soldar a aceleradora direto na placa, sem conectores!

Foi o que eu fiz:

Aceleradora soldada por cabo na placa do A1200

Aceleradora soldada por cabo na placa do A1200

Aproveitei a máscara da placa do A1200 e soldei cabos mais curtos. O mais curtos quanto possível. Depois soldei na ACA, no lugar onde ficava o conector original, que está guardado pra uma necessidade futura! 😉

Aproveitei a coincidência de que um furo da ACA poderia coincidir com o furo da placa do A1200, que serve para fixá-la ao gabinete original. Então cortei um estojo de latão na altura certa (desses usados para apoiar placa mãe de PC em gabinete torre) e fixei ele na ACA. Ele por sua vez apoia na placa mãe e é parafusado a ela pelo verso (detalhe em foto abaixo) Num outro furo da ACA instalei um apoio de nylon também cortado na altura certa. Ainda cortei um pedaço de cola de silicone em bastão (do tipo que se usa com aquelas pistolas de “cola quente”), e aqueci para colar numa região da placa que não tinha apoio.

Assim a placa ficou totalmente apoiada, sem sofrer estresse mecânico. Isso também evita que ela se apoie nos pinos do “clock port”, o que poderia “ferir” a ACA por baixo, rompendo trilhas.

Vista de perfil

Vista de perfil

Vista superior

Vista superior

Detalhe inferior com blindagem

Detalhe inferior com blindagem

E essa foi a solução final. Pelo menos até agora! 😀

Bom, eu estou satisfeito com essa solução. Está funcionando perfeitamente, totalmente estável, e o mais importante, agora o case fecha!! 😉

Abraços!

 

Esta entrada foi publicada em Amiga com as tags , , , , , , . ligação permanente.

5 Respostas a Amiga 1200C – parte 3 – Acelerando um pouco as coisas!

  1. Mauricio Ramos diz:

    O cara é um Ninja mesmo!

    • Marcelo Pires Mugo diz:

      Supaa!! Ninja das voadoras?? :-p
      Valeu, Joe! Quero ver você vir usar ele aqui. Duvido! :-)
      Abração!

    • Marcelo Pires Mugo diz:

      Supaa! Ninja das voadoras?? :-p
      Quero ver você vir usar ele aqui. Duvido! :-)
      Abração!

  2. Caramba! Fiquei sem palavras!!!!! 😮 😮 😮

    • Marcelo Pires Mugo diz:

      Valeu Alexandre! Espero que tenha sido uma impressão positiva!
      Abraços.

Os comentários estão fechados